April 30, 2021

O Salvador Heróico ou Cavaleiro Branco

By YvY

Existe até uma versão do Padrão Agressivo, chamada de O Resgatador Heróico ou o Cavaleiro Branco. Essa pessoa não resgata apenas os outros, como a pessoa do Padrão de Fusão Compensada faria, ela também se apresenta como um herói ao fazer isso. Claro, um verdadeiro herói realmente resgata os outros, então como esse é diferente? Bem, é diferente porque um verdadeiro herói está resgatando os outros porque eles precisam ser resgatados, ao passo que o Resgatador Heróico está resgatando os outros porque precisa disso. Ele não só precisa resgatar os outros, mas precisa se ver como um herói. Se as pessoas que estão sendo resgatadas resolvem o problema por si mesmas, a ação de quem atua no Padrão Agressivo torna-se enfraquecedora. Logo, é preferível que essas pessoas não tenham que lutar com seus problemas e descobrir que elas podem resolvê-los. Em vez disso, elas entregam seu poder ao agressor e tornam-se dependentes dele. No entanto, este não é um tipo de distinção como preto e branco. Ambas as dinâmicas podem acontecer ao mesmo tempo: o resgatado pode realmente precisar de ajuda, e o salvador pode precisar se ver como um herói. O que distingue o heróico Salvador de alguém que está simplesmente ajudando é que o ato de resgatar desempenha uma função defensiva na psique do Salvador. Quanto mais sintonizado o resgatador estiver com as necessidades do resgatado, menos egoísta será o ato. Se a ação parece desafinada e forçada, provavelmente está mais motivada pelas necessidades do Salvador. Ou seja, o ato de ajudar está firmado no ego. A pessoa ajuda o outro pensando em si.

  • Modo de guarda ou Vigia

Existe o baixo nível do Padrão Agressivo conhecido como “modo operante: guarda ou vigia”. Quando pessoas do Padrão Agressivo estão em modo de guarda, elas estão parcialmente afastadas de suas defesas, mas ainda cautelosas. Elas não são bobas ou espontâneas, como seriam se estivessem completamente fora do Padrão, mas são muito mais acessíveis do que seriam se estivessem totalmente dentro do Padrão. Até elas têm uma sensação de segurança em seu corpo, no entanto, não são capazes de atuar completamente fora do Padrão. Adquirir uma sensação de segurança no corpo não é possível sem uma cura muito profunda de suas feridas, muitas pessoas com Padrão Agressivo passam a maior parte do tempo em modo ou estado de guarda ou vigia, mesmo depois de fazer um trabalho interno considerável.

Quando o Padrão Agressivo é Mascarado

Há outra variação do Padrão de Sobrevivência Agressivo em que a pessoa renega seu poder e tenta mascarar o Padrão em si mesma. Porque esse mascaramento é tão contrário à estratégia de sobrevivência do Padrão, esta variação parece rara. Os poucos exemplos que vi foram mulheres. Mascarar seu poder não é um ato consciente. É uma reação a um pai ou outra pessoa dominadora e autoritária que usou a força para dominá-las. Elas odiavam serem tratadas assim e decidiram que nunca usariam a força dessa forma, então, mesmo quando usaram sua vontade para sobreviver ao ataque, não lutaram ativamente. Mesmo que o corpo da pessoa tenha adotado o Padrão Agressivo, ela não idealizou conscientemente sua própria força e vontade. Ela não se considera capaz de intimidar ou dominar outras pessoas e evita se comportar dessa forma. Ela pode não vêr-se como tendo força e vontade, mas essas habilidades estão disponíveis quando precisa. Ela sente que o âmago de seu próprio corpo e sua força de vontade não são um fingimento, mas são mascarados, ao invés de aparentes. Para sair do Padrão e começar seu processo de cura, as pessoas que mascaram sua estrutura agressiva têm que descobrir o que realmente usam deste Padrão de Sobrevivência. Então elas começam a tomar posse de seu poder e aprendem como contê-lo e moldá-lo.

Relacionamento Consigo Mesmo

Exceto pela rara variação observada acima, pessoas com Padrão agressivo sempre se vêem como aquela que tem poder. Na verdade, elas idealizam suas habilidades e poder. Isso se mostra na frequência com que elas assumem a posição “Eu posso lidar com isso.” Essa identificação com capacidade e poder é fundamental para este Padrão. O poder daqueles que executam este Padrão, na verdade vem mais de sua vontade implacável do que de sua força ou competência. A principal forma de se conhecerem é: “Eu sou minha vontade”. Sua vontade implacável também é o diagnóstico do Padrão Agressivo. A declaração é: “Não me faça ter que matar você.” Isso costuma ser dito em um tom amigável, mas é um reconhecimento de que há algo que eles querem e eles conseguirão a qualquer custo, logo, não fique no caminho deles.

Relacionamento com o Crítico Interno

Pessoas de Padrão Agressivo podem ou não ter um crítico interno feroz, dependendo de seu outro Padrão e de como foram tratadas quando crianças. O que é certo é que, quando elas são pegas no Padrão Agressivo, seu os ataques do seu crítico interno serão direcionados principalmente para fora em direção aos outros, ao invés de para dentro. É o outro que será desvalorizado pelo seu sarcasmo e desprezo, não o seu eu idealizado.

Traços de Personalidade

Agora vamos dar uma olhada nos traços de personalidade do Padrão Agressivo. Essas são as formas que uma pessoa de Padrão Agressivo tende a parecer quando está realmente atuando no Padrão. Quando elas não estão no Padrão, mas em vez disso estão presentes, elas podem não parecer e agir assim. Nessas ocasiões, elas provavelmente exibirão os presentes ou Dons do Padrão, como força, energia, confiança e uma presença atraente. Mas quando elas estão totalmente no Padrão, sua aparência será mais parecida com a que segue. A primeira coisa que você notará é que a energia delas é muita e tem um efeito agressivo. Elas estarão influenciando ativamente a situação, e não sentam-se passivamente ou apenas deixam as coisas se desenrolarem. Elas vão querer participar em decidir o que acontece a seguir, ou mesmo estar totalmente no controle das coisas. Elas geralmente comportam-se como alguém confiante, forte, melhor do que os outros. Ou, se elas estão profundamente no Padrão, acreditam que são muito melhor do que você, mesmo descaradamente de forma arrogante e ameaçadora.

Quando elas falam, apresentam o que estão dizendo como absolutamente verdade. Mesmo se tiverem algumas dúvidas sobre o que estão dizendo, suas palavras saem de suas bocas como se estivessem absolutamente certas, a ponto de não dar oportunidade de serem questionadas. Se você opera dentro desse Padrão de Sobrevivência, aqueles que o fazem parecer maior do que você, e você pode até sentir-se encolhido na presença deles. Por outro lado, se você usa este Padrão de Sobrevivência, se sentirá desafiado e perceberá suas próprias glândulas supra-renais ativadas enquanto você se prepara para o desafio. Se essas pessoas sentem-se desafiadas ou ameaçadas por você, elas irão jogar muita energia em você. Muitas vezes, essa energia surgirá como raiva, mas também pode assumir a forma de uma piada, uma depreciação, ou um silêncio acusador. Seja qual for a forma que assuma, elas enviaram uma explosão de energia em sua direção, você sentirá uma onda de pressão atingir seu corpo.

Como Elas Recriam Sua Ferida

Tal como acontece com todos os Padrões de Sobrevivência, as pessoas com Padrões Agressivos tendem a recriar suas próprias feridas através das mesmas coisas que fazem para tentar se manter estão seguras. Este processo é inconsciente, é claro, mas é muito eficaz em perpetuar o Padrão de modo geral, mantendo os tipos de relacionamentos e experiências que tiveram na infância. Existem várias maneiras específicas das pessoas com Padrões Agressivos recriaram seus velhos sentimentos de abandono e traição. A primeira é que, controlando e exigindo, elas fazem com que os outros queiram ficar longe delas, recriando assim o seu abandono. Em segundo lugar, elas usam a raiva para desafiar as decisões tomadas por outros, especialmente as decisões de deixá-los. Logo, os outros, sabendo que não será permitido sair sem lutar, eles arranjam algum tipo de desculpa para justificar sua saída/abandono, o que, é claro, recria a experiência de traição na pessoa que segue o Padrão Agressivo. Pessoas com Padrões Agressivos também recriam sua experiência de infância onde era demais para os outros, inflando-se e usando seu tamanho e energia para intimidar os outros. Naturalmente, todo mundo que se sente intimidado percebem isto.

Pessoas atuando no Padrão Agressivo também recriam suas feridas pela forma com que lidam com suas próprias necessidades. Na maioria das vezes, elas fingem que não têm necessidades, de modo que as pessoas ao seu redor não tenham como atender às suas necessidades e acostumem-se a pensar nelas como se não tivessem necessidades. Então, quando a pessoa agressiva padronizada finalmente percebe que tem uma necessidade tão grande ela não consegue lidar com essa necessidade sozinha – e então finalmente pede ajuda aos outros – sua necessidade é enorme. Quando os outros não conseguem atender sua enorme necessidade, seus medos são confirmados. Mais uma vez, suas necessidades são grandes e tantas que a capacidade dos outros de ajudar é muito pequena. Mais uma vez, não há ajuda e ela tem que encontrar uma maneira de lidar com tudo sozinha. A crença dela é confirmada, e conforme a velha e amarga decepção surge mais uma vez, ela diz: “Sim. Eu sabia que não podia confiar ou contar com você.”