April 30, 2021

Como os Padrões de Sobrevivência são Criados

By YvY

Ao considerarmos o ciclo de carga e descarga e a necessidade de regular a quantidade de carga no nosso sistema nervoso, veremos que todos os eventos traumáticos partilham a mesma característica: eles sobrecarregam o corpo. Padrões de Sobrevivência são tentativas de resolver o problema de sobrecarga, eles nos protegem ou nos amortecem da intensidade da experiência direta,tornando-a mais fácil de suportar. Isso significa que quando você atua no Padrão, não está mais em contato direto com a experiência. Ou seja, você não está Presente.

Como desenvolvemos ainda na infância estes Padrões:

– Alguma coisa aconteceu e você sentiu-se sobrecarregado. Agora você tem um problema, e precisa se proteger e regular seu metabolismo. Normalmente essa experiência se repete, dependendo da intensidade, apenas uma experiência é suficiente para criar o Padrão.

– Você usa todas as capacidades que possui naquela idade e tenta resolver o problema. Talvez copie alguma coisa dos outros ou crie uma estratégia nova e experimenta se funciona.

– Se funcionar vai usar isso sempre que precisar, se falhar, vai tentar outra coisa.

– Com o tempo você adota a estratégia que funciona para lidar com os problemas. Ao usar esta estratégia repetidamente, seu corpo se condiciona a ela e gradualmente desenvolve uma Estratégia de Sobrevivência formando assim um Padrão de Sobrevivência.

– Conforme cresce, esse Padrão torna-se uma lente através da qual experimenta a vida. Essa lente influencia como você se vê, como você vê o mundo e como tenta se proteger.

Cada um de nós nasceu com certos talentos e, se esses talentos forem úteis ou recompensados em nosso ambiente, tendemos a transformá-los em habilidades. Por exemplo, uma criança nascida com talentos musicais e criada em uma família musical tenderá a desenvolver habilidades musicais. Uma criança nascida com sensibilidade psíquica, criada em um ambiente violento, aprenderá a usar sua sensibilidade psíquica para detectar o perigo e fugir dele. Outra criança nascida na mesma família violenta, mas com talentos diferentes, digamos, para ferocidade e não para sensibilidade, desenvolverá uma estratégia diferente para lidar com o perigo. Ela provavelmente terá mais sucesso em lutar do que em evitar o perigo, então sua Estratégia de Sobrevivência dependerá mais da ferocidade e enfrentamento do que da fuga.

Por outro lado, se um talento nos causa angústia, aprendemos a suprimi-lo. Por exemplo, se o brilho ou talento da criança intimida ou incomoda algum de seus cuidadores ou até mesmo um irmão ou irmã mais velhos, que então a humilha, ou repreende, a criança aprende a fazer-se de boba e, assim, perder o contato com seu brilho ou talento. Se esse talento desperta ciúme, a criança pode esconder ou rejeitar seu talento e considerar-se inferior.

Suponha que seu problema seja que seu irmão ou irmã mais velho a intimida. Primeiro, a criança tenta revidar. Se ela tiver a ferocidade inata necessária, essa estratégia pode funcionar, mesmo contra um irmão mais velho e maior. Mas, se não funcionar, provavelmente tentará outra coisa.

Talvez ela tente uma estratégia de conexão, fazer amizade com o agressor e fazer com que ele goste dela. Se ela puder transformar o agressor em seu protetor, ela terá resolvido o problema. Mas se essa estratégia não funcionar, ela pode tentar se rebaixar e apenas aguentar. Se essa estratégia funcionar, ela continuará a usá-la. Ela irá repetir naturalmente qualquer estratégia que funcione para ela. Isso se tornará um hábito e, então, um Padrão, que influenciará o modo como ela se relacionará com o irmão (e com as outras pessoas) pelo resto da vida.